×
Siga o CJ

Contribuição sindical rural não precisa ser paga, ressalta a advogada Rhuana Ropelatto

rhuana advogada 1 - Contribuição sindical rural não precisa ser paga, ressalta a advogada Rhuana Ropelatto - comjustiça

Uma empresa de cobrança tem entrado em contato com agricultores, exigindo o pagamento da Contribuição Sindical Rural referente ao exercício de 2019, com vencimento em 22 de maio. Quando questionados acerca da obrigatoriedade da quitação do imposto, alegam que a faculdade da contribuição não se aplica ao meio rural.

A Contribuição Sindical Rural existe desde a década de 1940, com a entrada em vigor da Consolidação das Leis Trabalhistas – CLT, regulamentada, em 1971, pelo Decreto-Lei nº 1.166. Entretanto, decorridos 48 anos da regulamentação, as coisas já não são bem assim.

Em meados de 2017, o Congresso Nacional aprovou e o então presidente Michel Temer sancionou a Reforma Trabalhista. A Lei 13.467, de 13 de julho daquele ano, alterou os artigos 578 e seguintes da CLT, tornando a contribuição sindical facultativa, ou seja, desobrigando o pagamento do boleto.

O intuito da nova legislação foi estimular a criação e manutenção de entidades sindicais verdadeiramente representativas, já que os interesses dos contribuintes, na maioria dos sindicatos, estavam à margem dos interesses dos sindicalistas que, por muitas vezes, utilizavam-se das verbas em proveito próprio.

A alteração legislativa trazida pela Reforma Trabalhista também foi analisada pelo Supremo Tribunal Federal – STF, por meio da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5794, e a Suprema Corte brasileira decidiu, em 29 de junho de 2018, que o fim da obrigatoriedade da contribuição sindical é constitucional.

Ou seja: não há mais, desde 2017, a obrigatoriedade do pagamento. É legal, é constitucional. O agricultor está livre para decidir se deseja ou não contribuir.

Por outro lado, é importante destacar que se o produtor rural julgar que os serviços prestados pelo sindicato são relevantes, se há transparência em seus atos e na destinação dos recursos angariados com a contribuição, o agricultor poderá continuar contribuindo.

Rhuana Ropelatto
Advogada e servidora do Ministério da Justiça

Os comentários são via Facebook, e é preciso estar logado para comentar. O comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Você pode ser denunciado ou até mesmo banido caso comente algo racista, incite o ódio gratuito ou poste spam.

Comente com o Facebook

Publicidade

banner juliano - Acusado de matar sogra teve pedido de liberdade negado na Corte de Rondônia - comjustiça

Curta Nossa Fan Page

Últimas Notícias

Publicidade

banner estrategia 300 250 - Acusado de matar sogra teve pedido de liberdade negado na Corte de Rondônia - comjustiça

Mais Lidas